DIABETES TIPO II

A DIABETES TIPO II

O texto seguinte é uma tradução do original em inglês do Dr. J. Frederic Templeman

As Diabetes são um tema complexo para tratar adequadamente numa brochura como esta, portanto, o meu tratamento sobre o tema será limitado a apenas conceitos gerais.

Na realidade, existem várias doenças cobertas sob o termo Diabetes. A medicina tem definidos pelo menos, três grandes tipos (tipo I, II e Diabetes tipo gestacional), mas estou convicto de que nos próximos anos outras doenças distintas serão identificadas, como descreverei mais tarde.

Nesta publicação, eu tratarei apenas das Diabetes tipo II, por vezes também chamadas não insulino dependentes ou diabetes de adulto, embora esses termos não serem exactos e devem deixar de ser usados.

A Diabetes é uma doença metabólica e esta descrição merece uma explicação. Metabolismo refere-se a praticamente todos os processos químicos envolvidos na manutenção da vida. Digestão dos alimentos, manutenção e reparação dos tecidos e produção de energia são apenas três dos principais elementos, mas elas são as funções metabólicas mais afectadas pela Diabetes.

A alimentação é geralmente classificada em hidratos de carbono, proteínas e gorduras. Embora cada tipo de alimento pode ser decomposto para produzir energia e muitos dos elementos materiais são necessários para a manutenção e reparação de tecidos, cada um deles tem funções principais no organismo.
Os hidratos de carbono (ou amidos) são excelentes fontes de energia prontamente disponível. As proteínas são materiais principalmente estruturais, mas também são utilizados como enzimas no organismo.

A gordura é um veículo eficiente de armazenamento de energia, embora ela
também tem muitas outras funções. Por exemplo, é o principal componente de todas as membranas celulares e os blocos de construção básicos das hormonas sexuais.

No cenário ideal (a pessoa normal livre de doença), a utilização de todos os três tipos de alimentação é equilibrada e os resíduos são excretados de forma eficiente. É importante notar, no entanto, que simplesmente extrair energia dos nossos alimentos produz grandes quantidades de partículas químicas nocivas chamados radicais livres.

Estas partículas causam danos celulares generalizados, mas as funções de manutenção e reparação do corpo são eficientes e, em caso de boa
saúde, a maioria dos danos são reparados.

Não são, no entanto, todos reparados. Permanece um défice de danos não reparados, que se acumula lentamente ao longo dos anos causando o processo de degeneração progressiva que nós chamamos envelhecimento.

No entanto, o envelhecimento é outro tópico, e apenas o referi porque as Diabetes afectam grandemente o tamanho do défice da reparação e assim acelera significativamente o processo de envelhecimento.

Os hidratos de carbono são digeridos no tubo digestivo, nas formas em que são encontrados em alimentos. Um dos elementos mais simples em que eles são reduzidos é a glicose. A glicose é chamada de açúcar simples e, é o combustível preferido de todas as células do corpo.
Por exemplo, o cérebro só pode usar como combustível a glicose. A glicose é metabolizada em energia, em minúsculas fábricas chamadas mitocôndrias que só existem dentro de células.
Portanto, obter glicose nas células de forma eficiente é fundamental para uma boa saúde. A insulina é uma hormona produzida pelas células do pâncreas chamadas células beta. A insulina, em quantidade suficiente, é essencial para obter glicose do exterior da célula para dentro da célula.
(A única excepção a essa regra são as células musculares, que têm a capacidade única de absorverglicose sem insulina durante o exercício). Assim, ter insuficientes níveis de insulina para obter glicose suficiente através da membrana celular dentro da célula, é o defeito fundamental das
Diabetes.

Na Diabetes tipo I, as células beta do pâncreas, foram destruídas, e o corpo não pode produzir qualquer insulina. Se não for injectada insulina, morremos. Na diabetes tipo II, as células beta do pâncreas continuam a produzir insulina. Na verdade, na maior parte dos primeiros Diabéticos tipo II, o pâncreas produz ainda mais insulina de base do que os pâncreas de um não Diabético.

Portanto, o problema da insulina surge apenas quando as células do organismo desenvolvem uma situação denominada resistência à insulina e exigem maior quantidade de insulina do que era necessária anteriormente.

A resistência à insulina é um defeito complexo, que exige muito mais concentração de insulina no sangue, a fim de permitir glicose para as células. Estas maiores concentrações de insulina no sangue causam ao paciente Diabético fome, porque a insulina estimula o apetite.

Uma vez que a causa básica da resistência à insulina é a obesidade, um ciclo vicioso pode ocorrer; a obesidade provoca um aumento da resistência à insulina… resistência à insulina exige uma maior quantidade de insulina para obter glicose nas células… os elevados níveis de insulina circulante causam um aumento do apetite, o que leva a um maior consumo alimentar, o que piora a obesidade, que aumenta a resistência à insulina e assim por diante.

Não admira que os Diabéticos estão desencorajados quando estão quase sempre famintos e não é suposto comerem muito! Além disso, há um defeito na forma rápida como o pâncreas dos Diabéticos liberta insulina em resposta à ingestão alimentar. Em pessoas normais, os níveis sanguíneos de insulina têm lugar poucos minutos após o início de comer, e os níveis de glicose
sanguínea voltam ao normal dentro de 1-2 horas após a ingestão.
Nos Diabéticos, o aumento da insulina necessária atrasa e o açúcar no sangue não volta ao normal duas horas após a ingestão.
Esta elevação após-refeição da glicose tem sido associada a complicações cardiovasculares da Diabetes (ataques cardíacos e derrames cerebrais).
Em resumo, as Diabetes devem-se à insuficiência de insulina para permitir glicose para as células.

Apesar dos Diabéticos do tipo II produzirem mais insulina que numa pessoa normal seria necessária, pelo menos no início da doença, não têm insulina suficiente. Eles têm uma relativa deficiência de insulina.

A glicose não entra na célula em quantidade suficiente e os seus níveis aumentam no sangue. O nível de açúcar no sangue é o que Diabéticos verificam quando picam os dedos.

Se o único defeito da Diabetes fosse a incapacidade de obter glicose suficiente nas células, já seria suficientemente mau, mas isso é apenas metade do problema. Níveis elevados de glicose sanguínea são extremamente tóxicos. Directa e indirectamente, causam inúmeros problemas graves.
Infelizmente, na minha experiência, a maioria dos Diabéticos não percebem como são perigosos esses outros problemas, ou eles seriam mais cuidadosos na gestão da sua ingestão alimentar e exercício físico.

CONSIDEREM ESTES FACTOS:
– Os Diabéticos têm o dobro da taxa de mortalidade dos não diabéticos;
– Os Diabéticos têm entre 2 a 4 vezes mais ataques de coração e derrames cerebrais mesmo que
tenham o mesmo nível de colesterol dos não diabéticos;
– As Diabetes são a principal causa não traumática, das amputações dos membros inferiores;
– Os Diabéticos são 6,2% da população, mas fizeram parte dos 19% de mortes acima dos 25 anos em
1999 (450.000 pessoas);
– A Diabetes é a causa mais comum de insuficiência renal, que requerem hemodialise.
– Os Diabéticos têm 40% mais probabilidades de ter glaucoma, 60% mais propensos a ter cataratas e
retinopatias, os diabéticos por si só representam até 24.000 novos casos de cegueira por ano;
– 70% dos Diabéticos terão danos no sistema nervoso que poderão causar:
1. Neuropatia periférica dolorosa dos membros superiores e inferiores;
2. Sindromas da compressão nervosa, como a do túnel do carpo;
3. Problemas como inchaço, diarreia, constipação e assim por diante;
4. Grandes deformações nos pés;
5. Impotência.
– As Mães Diabéticas têm abortos espontâneos em 15-20% das gravidezes e são a maior causa de
defeitos congénitos entre 5-10% de nascimentos;
– 35% dos Diabéticos terão graves doenças de pele: Erupções, infecções (aparelho urinário, …)
descoloração da pele, etc.;
– 35% dos Diabéticos terão graves doenças resultando na perda dos dentes;
– 73% dos Diabéticos têm pressão arterial elevada;

Decepcionantes factos são o mínimo que se pode dizer. Na minha opinião, tudo o que pode ser feito para melhorar os resultados dos Diabéticos deve ser feito.

Tenha uma saúde fabulosa

Nuno Andrade – Recomendações para a Diabetes

 

Viver Bem com A Diabetes no Facebook

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: