Estudos Científicos Sobre a Gripe Espanhola(Vírus)

e

Categorias

A gripe espanhola

A gripe espanhola de 1918 foi uma das doenças mais contagiosas por um vírus de todos os tempos, mas quando os investigadores tentaram transmiti-la de pessoa a pessoa. eles pulverizaram directamente secreções “infecciosas” no nariz, olhos e garganta das pessoas mas ninguém ficou doente. Ninguém apanhou o Vírus.


Gripe espanhola de 1918

Gripe espanhola de 1918

A pandemia de gripe de 1918, também conhecida como gripe espanhola, é considerada uma das pandemias mais graves da história. Diz-se que foi causado por um vírus H1N1 cuja origem seria de aves, que se espalhou pelo mundo de 1918 a 1919, infectando cerca de 500 milhões de pessoas, ou um terço da população mundial da época. Estima-se que 50 milhões de pessoas morreram devido à pandemia de gripe de 1918.

Mas será que a história nos foi bem contada? o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos admite que até hoje, ainda existem muitas duvidas sobre esta pandemia e sobre o vírus que dizem ter causado tudo isto. ” Embora o vírus H1N1 de 1918 tenha sido sintetizado e avaliado, as propriedades que o tornaram tão devastador não são bem compreendidas ” 

As experiências feitas em laboratório nunca foram capazes de confirmar se o vírus se espalha por contacto humano. Na verdade, os investigadores fizeram de tudo o que podiam imaginar para infectar as pessoas com o vírus, mas eles não tiveram sucesso.

Cientistas não conseguem infectar outros humanos com a gripe espanhola-

Infectar seres humanos com um vírus da gripe para investigação médica não é considerada ética nos dias de hoje, mas em 1918 e 1919 este tipo de experiências em humanos eram permitidos. O Dr. Milton Rosenau, especialista em doenças infecciosas, realizou este tipo de experiências em marinheiros da Marinha dos EUA em cooperação com o Serviço de Saúde Pública.

O estudo foi feito com Voluntários da Estação de Treinamento Naval dos EUA em Deer Island, Boston, que ” pareciam estar em excelente condição física “. Os cientistas tentarem infectar voluntários saudáveis com gripe. Eles recolheram várias secreções de pessoas com gripe – secreções nasais, muco da garganta e até tosse directa no rosto e expuseram os voluntários.

Os portadores do vírus estavam no início da doença, no primeiro, segundo ou terceiro dia, para garantir que ainda seriam mais contagiosos. As substâncias infecciosas foram então pulverizadas nos voluntários ‘ narinas, garganta e olhos, e esperaram 10 dias para ver se eles ficavam doentes. Nenhum deles ficou doente. Existe até um artigo publicado na Public Health Reports pelo médico John Eyler, da Universidade de Minnesota:

“[Voluntários] … foram inoculados com misturas de outros organismos isolados da garganta e nariz de pacientes com influenza. Em seguida, alguns voluntários receberam injeções de sangue de pacientes com influenza. Finalmente, 13 dos voluntários foram levados para uma enfermaria de influenza e expostos a 10 pacientes com influenza cada.

Cada voluntário deveria apertar a mão de cada paciente, falar com ele de perto e permitir que tossisse diretacmente no rosto. Nenhum dos voluntários nesses experimentos desenvolveu influenza. “

Outra pesquisa também não conseguiu mostrar a transmissão desta gripe em humanos , com uma revisão de 2013 conduzida por cientistas e colegas do CDC dos EUA que concluiram: “A Nossa revisão não encontrou estudos experimentais em humanos publicados na literatura de língua inglesa delineando pessoa a pessoa transmissão da gripe. ” 

Edwin Jordan, um cientista de saúde pública que conduziu algumas das pesquisas mais conhecidas sobre a pandemia de gripe espanhola, também relatou em 1927 que cinco estudos não conseguiram demonstrar a transmissão da gripe de um doente para uma pessoa saudável apesar de ter vários pacientes com influenza gravemente doentes, em vários estágios da doença, a tossir, a cuspir e a respirar para 150 pessoas saudáveis , “de acordo com uma revisão publicada na Virology em 2008. O estudo de Rosenau foi o maior entre eles.

Cientistas alertam contra a conclusão do óbvio

Mesmo depois de não conseguir infectar as pessoas com a gripe, apesar das múltiplas exposições directas, Rosenau afirmou: “Devemos ter muito cuidado para não tirar conclusões positivas dos resultados negativos desse tipo.” Ao mesmo tempo, ele reconheceu:

“Entramos no surto com a noção de que conhecíamos a causa da doença e tínhamos certeza de que sabíamos como ela era transmitida de pessoa para pessoa. Talvez, se aprendemos alguma coisa, é que não temos certeza do que sabemos sobre esta doença. ” 

O relatório documentou oito outros estudos que também não conseguiram identificar como a gripe espanhola se espalhou, mas disse que talvez outros factores estivessem envolvidos relacionados à forma como o vírus foi liberado ou penetrou no corpo. Talvez, alguns sugeriram, os voluntários já estivessem imunes. Mas alguns dos voluntários foram especificamente incluídos porque não tiveram exposição anterior à gripe.

Outros sugeriram que os portadores do vírus poderiam não ser infecciosos, mas eles teriam de ser nos primeiros três dias de doença, quando a eliminação viral deveria estar em seu pico. “Parecia que o que era reconhecido como uma das doenças transmissíveis mais contagiosas não poderia ser transferido sob condições experimentais”, escreveu Eyler.

O seu estudo mostrou efectivamente que a gripe espanhola não era uma doença contagiosa.

Na verdade, a verdadeira doença aqui parece estar nos pesquisadores que acreditam no que querem acreditar e, que neste caso, a gripe espanhola foi facilmente transmitida de pessoa para pessoa, mesmo que a ciência diga claramente o contrário.

E tu, que pensas de tudo isto? Alguma semelhança com o que se está a passar neste momento a nível mundial?

>
Artigo Original em Inglês GreenMedInfo
— https://www.greenmedinfo.com/blog/studies-question-transmission-1918-spanish-flu?utm_campaign=Daily%20Newsletter%3A%20Studies%20Question%20Transmission%20of%201918%20Spanish%20Flu%20%28YxecKk%29&utm_medium=email&utm_source=Daily%20Newsletter&_ke=eyJrbF9lbWFpbCI6ICJudW5vY2FuZHJhZGVAZ21haWwuY29tIiwgImtsX2NvbXBhbnlfaWQiOiAiSzJ2WEF5In0%3D#_edn3

Referências

US CDC, 1918 Pandemic (vírus H1N1)  https://www.cdc.gov/flu/pandemic-resources/1918-pandemic-h1n1.html

[iii] Saúde Pública Rep . 2010; 125 (Suplemento 3): 27-36. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2862332/

[iv] Experiências com voluntários para determinar a causa e o modo de propagação da gripe, Boston, novembro e dezembro de 1918, página 7  https://hdl.handle.net/2027/spo.3750flu.0016.573

[v] Virology Journal volume  5 , Artigo número: 29 (2008)  https://link.springer.com/article/10.1186/1743-422X-5-29

[vi] Rep Saúde Pública . 2010; 125 (Suplemento 3): 27-36. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2862332/

[vii] Clinical Infectious Diseases , Volume 37, Issue 8, 15 de outubro de 2003, Pages 1094-1101,  https://doi.org/10.1086/378292  https://academic.oup.com/cid/article/37/8 / 1094/2013282

[viii] Influenza epidêmica. Um questionário. 1927 pp.599 pp.  Https://www.cabdirect.org/cabdirect/abstract/19292700266

[ix] Virology Journal volume  5 , Artigo número: 29 (2008)  https://link.springer.com/article/10.1186/1743-422X-5-29

[x] Médio 1 de junho de 2020  https://medium.com/microbial-instincts/spread-of-spanish-flu-was-never-experimentally-confirmed-9f91b37c4dd8

[xi] Rep Saúde Pública . 2010; 125 (Suplemento 3): 27-36. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2862332/

[xii] Médio 1 de junho de 2020  https://medium.com/microbial-instincts/spread-of-spanish-flu-was-never-experimentally-confirmed-9f91b37c4dd8

[xiii] Rep Saúde Pública . 2010; 125 (Suplemento 3): 27-36. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2862332/

[xiv] Virology Journal volume  5 , Artigo número: 29 (2008)  https://link.springer.com/article/10.1186/1743-422X-5-29

Isenção de responsabilidade : este artigo não se destina a fornecer aconselhamento médico, diagnóstico ou tratamento. As opiniões expressas aqui não reflectem necessariamente as minhas.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

8 Comidas Inflamatorias a Evitar

8 Comidas Inflamatorias a Evitar

8 Alimentos pró-inflamatórios a evitar A inflamação existe em quase todas as doenças imagináveis. A inflamação crônica também pode danificar células saudáveis, causar dores nas articulações, prejudicar o sistema digestivo e até mesmo fazer com que tu ganhes peso. Por...

.

Pin It on Pinterest

Partilha isto

com os teus amigos